Páginas

terça-feira, 20 de abril de 2010

Qual o seu livro favorito?


 
Esse é o tipo de pergunta difícil, pois o livro é um objeto que me acompanha há muito. Tanto que não o vejo mais como um simples objeto. O livro, para mim, é um amigo; amigo que posso carregar no bolso. Então como apontar o favorito?
 
Parece que essa é uma resposta que não pode ser definitiva. Em cada fase de nossa vida um livro estará mais presente, os escritos de um determinado escritor ou poeta farão mais sentido. No início da minha adolescência, e lá se vão alguns anos, os livros que estavam por perto eram aqueles da "Série Vagalume" e "Para Gostar de Ler". Essas e outras séries foram responsáveis por criar meu gosto pela leitura. Eles eram os favoritos.
 
Depois disso, fui fazendo descobertas sem fim. Tropecei na pedra que Drummond deixou, estrategicamente, no meio do caminho, e dela nuca me esquecerei. Participei das fantasias de “O Menino no Espelho” – Fernando Sabino. Passei dias tentando desvendar o mistério dos olhos de ressaca e cigana dissimulada de Capitu, em “Dom Casmurro” – Machado de Assis.
 
Dei risadas com as presepadas de João Grilo, Chicó e Quaderna em “O auto da compadecida” e o “Romance d’ A Pedra do Reino” – Ariano Suassuna. Lamentei o destino de “Madame Bovary” – Flaubert, e Luísa em “O Primo Basílio” – Eça de Queiroz. Senti náuseas com a inerte Macabea em “A hora da estrela” – Clarice Lispector.
 
Chorei com a história de amor de Riobaldo e Diadorim nas veredas do “Grande Sertão” de Guimarães Rosa. E ainda no grande Rosa, fiquei encantada com as sutilezas do menino Miguilim em "Manuelzão e Miguilim". Graciliano Ramos me fez sentir o gosto amargo das "Vidas Secas" de Fabiano, sua família e a cachorra Baleia. Também provei das incertezas do retirante Severino em "Morte e Vida Severina" - João Cabral de Melo Neto.
 
E foram tantos outros sentimentos e impressões que não dá para relatar em apenas um post. É por isso que me sinto incapaz de apontar meu livro favorito.
 
Então passo a vez e pergunto: Qual o seu livro favorito?

3 comentários:

  1. Pra mim, essa é uma pergunta realmente difícil de responder, pois o meu prazer pela leitura surgiu há pouco. Sempre li muitos livros cheios de muita informação e pouca fantasia. O livro era pra mim um objeto de estudo apenas, mas agora é sim meu companheiro, e tenho me encantado com o mundo da literatura... Embora tarde, tenho muito a aproveitar. =)

    ResponderExcluir
  2. Por agora, refiro dois: "Gulliver's Travels/As Viagens de Gulliver" do J. Swift e a "Cidade e as Serras" do Eça. Poderiam ser outros, a escolha é dificil e também me sinto incapaz de apontar, mas estes são favoritos porque são um pouco a essência do que gosto na literatura: a abertura a um mundo novo e ao mesmo tempo reconhecível.

    E porque vivemos num mundo de tecnologia e novidade, junto uma provocaçãozinha bem humorada aos "Jacintos" que o trocam pelo iPad!!! Porque afinal, creio também ser este o livro favorito de todos nós!

    http://www.youtube.com/watch?v=iwPj0qgvfIs

    Miguel

    ResponderExcluir
  3. Margot, vamos ao que interessa. Não lembro do lamentável final de Madame Bovary, lembre-me por favor. Sou louca por esse nome. E li esse livro de forma bem corrida. Você não falou do trocadilho de Dorian Gray, ou seria Dorian Gay. Gostei desse livro e de muitos outros também! Lembro claramente do trauma que fiquei ao descacar batatas com O Diário de Anne Frank! E por que não falar do Pequeno Príncipe? Ah, já sei, pq aqui não é um concurso de miss, mas o livro tbm é bem cativante..hahahha.
    Bjos

    ResponderExcluir