Páginas

terça-feira, 4 de maio de 2010

O Perfume

A propósito dos aromas do post anterior, deixo aqui um textinho que escrevi uns anos atrás quando da estréia do filme "O Perfume" - (2007).



O Perfume - A história de um assassino.

A notícia da adaptação do livro "O Perfume - A história de um assassino" de Patrick Süskind, para o cinema, deixou seus leitores com um pouco de receio. Pois a pergunta era: como Tom Tywer (diretor alemão de “Corra Lola, corra” - 1998) conseguirá trazer para a tela a rica experiência olfativa que vivenciamos ao ler o livro?

Jean-Baptiste Grinouille nasceu num dos recantos mais fétidos da França do século XVIII, logo foi abandonado por sua mãe embaixo de um banco de feira de peixes. Viveu 13 anos num orfanato, sendo constantemente execrado por seus colegas, até que foi vendido ao dono de um curtume. De modo que permaneceu vivendo como um ser sem presença. Contudo, ele já havia apurado bastante o seu olfato, embora até aquele momento só tivesse conhecido péssimos odores. Até que um dia, guiado por seu nariz, ele passou em frente a uma perfumaria e teve sua primeira experiência com um aroma delicado.

Nessa perfumaria Grinouille encontrou o experiente perfumista Baldini. Sentindo que ali haveria chance de pôr em prática tudo que viera aprendendo sozinho ao longo dos anos, Grinouille pediu emprego ao mestre perfumista, prometendo-lhe criar o melhor perfume do mundo. Mas isso não tranquilizou sua inquietação, pois seu maior desejo era conseguir capturar para sempre todos os aromas e dali fazer o melhor perfume que já existiu, uma essência arrebatadora, o perfume que pudesse atrair a atenção de todos somente para si.

Grinouille sai pelo mundo em busca de sua pedra filosofal, e a partir daí a história torna-se vertiginosamente sensual. O clima noir dá espaço a um ambiente de seduções e perversões. Pois Grinouille nunca conseguiu amar e muito menos ser amado, justamente por não exalar nenhum tipo de odor. E foi pela ausência de amor, que ele passou a extrair de suas vítimas o óleo essencial para a confecção do “Perfume”. O Perfume que causaria o antropofágico fim de sua vida.

Respondendo a pergunta: a experiência olfativa que vivemos ao ler o livro também pode ser vivenciada ao ver o filme, mas também é possível apurar a audição e a visão, pois a música e a fotografia são tão envolventes e bem elaboradas quanto o livro genial de Patrick Süskind.

Veja o filme, mas procure ler o livro e sinta bons aromas!

Por Margareth Félix - 10/02/2007

4 comentários:

  1. Faz um tempo que me prometo ver o filme, pois sempre me interessei pela história. Boa lembrança!

    Ah, mto obg pelo video, ja até postei: http://artefridakahlo.blogspot.com

    Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Um dos melhores livros que já li! E a adaptação pro cinema poderia ter sido um fiasco, mas se manteve à altura!

    ResponderExcluir
  3. que fofo! ficou lindo assim! =) bjs!

    ResponderExcluir
  4. Eu tive a oportunidade de assistir ao filme e devo registrar que sua análise está fidedigna e consegue sintetizar a essência da obra cinematográfica. Parabéns pela crítica e recomendo o filme aos que ainda não o assistiram.

    ResponderExcluir