Páginas

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Estão todos bem


É bom quando escolhemos um filme sem esperar muito dele e dali temos um sobressalto. Foi assim quando vi "Estão todos bem" - 2009, remake do filme de Giuseppe Tornatore, "Estamos todos bem", rodado na Itália em 1990.

Devo confessar que a escolha foi, principalmente, por ter o ator Robert De Niro no elenco. Gosto, quase sempre, de sua atuação e dessa vez não foi diferente.

De Niro interpreta Frank Goode, um viúvo, pai de quatro filhos adultos que vivem em cidades diferentes, motivo suficiente para que os cinco raramente se encontrem. Depois de mais um encontro frustrado, Frank decide fazer sua pequena mala e visitar de surpresa cada um de seus filhos. Mas ele não sabia que sua visita seria uma surpresa para si mesmo, pois ele termina por perceber que pouco sabe de seus filhos e constata que sua esposa havia omitido inúmeras situações com a ingênua intenção de poupá-lo de decepções.

Uma das cenas mais interessantes é quando após um infarto, numa espécie de sonho/delírio, Frank estabelece uma reunião crucial com seus quatro filhos, sendo os quatro ainda crianças. Nesse delírio Frank tem posto diante de si, aquilo que queria fingir que não sabia e, em certa medida, ele sentia o desejo de regressar no tempo para remediar o que não tinha mais remédio.

A maior parte do tempo o filme traz tons melancólicos, mas também é possível sorrir e até sentir ternura por esse pai que descobriu um pouco tarde a alegria de ser íntimo dos filhos. A fotografia com ângulos pouco convencionais para um filme desse gênero e também a música chamaram minha atenção. Destaco a música "(I want to) come home" de Paul McCartney que é linda e tem tudo a ver com a história.

Para ver o trailer, clique aqui.

2 comentários:

  1. humm to louca para ver !!!!

    bjs

    ResponderExcluir
  2. Eu adoro diquinhas e aaaaaaaaamo o De Niro. Já anotei! ^^

    Beijo, Margot!

    ℓυηα

    ResponderExcluir