Páginas

sábado, 10 de julho de 2010

Mãos dadas


Não serei o poeta de um mundo caduco.
Também não cantarei o mundo futuro.
Estou preso à vida e olho meus companheiros.
Estão taciturnos mas nutrem grandes esperanças.
Entre eles, considero a enorme realidade.
O presente é tão grande, não nos afastemos.
Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas.
 
Não serei o cantor de uma mulher, de uma história,
não direi os suspiros ao anoitecer, a paisagem vista da janela,
não distribuirei entorpecentes ou cartas de suicida,
não fugirei para as ilhas nem serei raptado por serafins.
O tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens presentes, a vida presente.

Carlos Drummond de Andrade
In: Sentimento do Mundo - 1940






Foto: Magnólia Félix
Retoque digital: Margot Félix

5 comentários:

  1. Hééé!Créditos: ME!
    Devia cobrar direitos autorais!

    ResponderExcluir
  2. Ah...e tu devia colocar assim...Foto e paciência de Jó: Magnolia.
    Por que? Por passar mais de 40 minutos rondando Drummond pra tirar fotos de todos os ângulos possíveis!

    ResponderExcluir
  3. Owww... mas a foto ficou tão linda.
    Saudade de você, saudade de Drummond sentadinho naquele banco, saudades do Rio.

    Bjos!!!

    ResponderExcluir
  4. O agora, o pre-sen-te.

    =)

    Beijo, beijo.

    ℓυηα

    ResponderExcluir
  5. Drummond... poeta-nosso-de-cada-dia.

    ResponderExcluir