Páginas

terça-feira, 27 de julho de 2010

Mary e Max


Você acredita em amizade à distância, entre pessoas que nunca se viram? Talvez seja difícil, mas é bem possível. E você acredita numa amizade através de correspondências, entre uma menina de 8 anos e um homem de 44 anos? Bom, essa distância parece maior do que a geográfica. Mas foi assim com Mary e Max, personagens do filme homônimo, realizado por Adam Elliot e desenvolvido com a técnica de stop-motion.

O filme, baseado em fatos reais, conta a história de amizade entre a triste menina Mary, que vive na Austrália, e o novaiorquino Max, que mora sozinho e sofre da Síndrome de Asperger. Síndrome essa que faz com que Max viva recluso em seu apartamento e também num mundo só dele, repleto de indagações com respostas que talvez ele jamais alcance. O mesmo acontece com Mary, lá do outro lado do mundo, vivendo numa casa onde as pessoas quase não se olham, tampouco se tocam.

A troca de correspondências inicia-se quando Mary escolhe, na lista telefônica, um endereço para enviar uma carta. A cartinha que fora escrita com tanta urgência e vontade de resposta, cai nas mãos de um Max confuso e tímido que passa dias sem saber o que responder. Mas houve resposta, e a partir dali, desenvolve-se uma amizade feita de pureza e necessidade de troca e identificação.


O filme tem clima noir (se assim posso afirmar) e até lembra os cenários das películas de Tim Burton. A música é espetacular e merece ser ouvida separadamente do filme. Mary e Max comove e faz rir, mas também faz-nos refletir sobre a falta de diálogo entre os mais próximos e o desejo (velado, ou não) que todos temos de ter um amigo. O desejo de sermos aceitos do jeito que somos.

Então, você acredita nessa amizade?

Clique aqui para ver trailer e extras.

8 comentários:

  1. Não só acredito como viví isso, mundo que por um tempo até aprendí a detestar, achei tudo de carater tão robótico, mais fui surpreendida quando acabei percebendo amigos, e amigos de verdade que me ligam, mandam cartas, se preocupam comigo, acreditoo infinitamente!!!!

    ResponderExcluir
  2. Ai Margo... desde que vi a resenha desse desenho na Preview fiquei louca pra assitir. Vc tem ele?

    ResponderExcluir
  3. Sim, eu acredito em sentimentos verdadeiros que superam a distância física.

    Vou clicar sim, gostei da sugestão. ;)

    Beijo, beijo.

    ℓυηα

    ResponderExcluir
  4. Nini e Luna, também acredito... muito.

    Cristiane, tenho esse filme, sim. Já te emprestei uma vez mas não rodou no teu pc, lembra? ;)

    Bjos!!!

    ResponderExcluir
  5. Ahhhhhhhh... Foi esse foi? Que droga!

    ResponderExcluir
  6. emocionante!


    "um alimentava o outro".


    *-*

    ResponderExcluir
  7. Não só acredito como vivo isso com vc! :D
    Infelizmente, os compromissos diários e a falta de tempo, fruto de uma sociedade onde o trabalho assume posição mais importante do que os momentos de ócio e prazer, acaba nos distanciando. Porém, independente disso, aminha admiração por vc só aumenta!
    Parabéns pelo seu blog! É uma forma a mais pra eu me comunicar com vc.

    Beijos

    Carla

    ResponderExcluir