Páginas

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Uma janela e sua serventia


Quando um poeta publica um livro a impressão que tenho é de que o mundo fica um pouco mais bonito. E quando esse livro vem de uma poetisa do calibre de Adélia Prado, posso dizer que o mundo cria um frescor de dias de sol ameno, daqueles dias que antecedem a Primavera. Foi esse frescor, essa leve aragem, que senti quando eu soube do lançamento, após um hiato de 10 anos, do livro da poetisa mineira: “A duração do dia” (2010).
 
Ainda não tenho o livro em mãos, mas já fiz uma prévia leitura de alguns dos poemas e do pouco que li, percebo que seu tino de poeta segue a mesma linha. É a poesia que transcende o banal e as trivialidades da vida diária e feminina: da mulher que “servindo, se torna rainha”.
 
Os versos escritos em linguagem coloquial são conduzidos por temas recorrentes em diversos poetas, mas são nos gestos mais simples, naquilo que parece irrelevante, que Adélia faz brotar encantamento e perplexidade, revelando assim toda a força e distinção de seu fazer poético.
 
Ler Adélia Prado é ser levado a um mundo que nos pertence, mas parece invisível. É debruçar-se numa janela e compreender sua serventia.

Uma Janela e sua serventia
 
Hoje me parecem novos estes campos
e a camisa xadrez do moço,
só na aparência fortuitos.
O que existe fala por seus códigos.
As matemáticas suplantam as teologias
com enorme lucro para minha fé.
A mulher maldiz falsamente o tempo,
procura o que falar entre pessoas
que considera letradas,
ela não sabe, somos desfrutáveis.
Comamo-nos pois e a desconcertante beleza
em bons bocados de angústia.
Sofrer um pouco descansa deste excesso.


Adélia Prado
In: A duração do dia - 2010

Foto: Miguel Pessoa Vidal 
(Fotografia feita sob encomenda para esse post)

3 comentários:

  1. Os campos são sempre novos.

    ;) E não te esqueças dos juros...

    ResponderExcluir
  2. Que lindo
    Sou de João Pessoa, sim.
    Somo vizinhas, gosto muito de CG.

    Gostei do seu blog

    beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi Margot!!
    A gatinha da caixa não é minha não... é da Lu.. Mas acho que ela é bem mansinha..
    Beijos

    ResponderExcluir