Páginas

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Beijo na boca, não

“Beijo na boca, não” (2003) do diretor francês Alain Resnais, realizador do aclamado “Hiroshima, mon amour” (1955), é uma comédia leve e despretenciosa, no melhor estilo vaudeville.

Confesso que não gosto de filmes musicais, considero uma tremenda maçada, mas esse me chamou atenção mais pela forma do que pelo conteúdo.

A história é contada em 3 atos, como se de uma peça de teatro se tratasse e cada ato é encenado num cenário diferente. É ambientada numa Paris dos anos 20 e seus personagens usam um belíssimo figurino à moda da época e a música é para lá de empolgante. 


Audrey Tatou, a sempre queridinha de “O fabuloso destino de Amélie Poulain”, aparece como uma melindrosa coquette e mostra que tem, também, talento para o canto.

No mais, o filme é ágil, divertido, bem conduzido e conta com atuações brilhantes.

4 comentários:

  1. Quero ver! Tu tem?
    Coincidência! Alan Resnais é o diretor do "Amante", baseado na obra de Marguerite Duras, que acabei de ler a poucos dias!

    ResponderExcluir
  2. Ah, mostrei teu Flickr a Nelson. Ele adorou!
    Porque eu tenho uma irmã que é fotógrafa!

    ResponderExcluir
  3. Que legal Margot, fiquei louca para assistir o filme! Vou indicar este post lá no Chá! Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Hummm interessante!!!
    Quero ver!
    bj

    ResponderExcluir