Páginas

terça-feira, 5 de abril de 2011

Receita para lavar palavra suja


Se, segundo o poeta gauche, "lutar com palavras é a luta mais vã", façamos a receita (à moda cabralina), da Viviane Mosé, para lavar palavra suja.

***

Mergulhar a palavra suja em água sanitária, e depois de dois dias de molho quarar ao sol do meio dia.

Algumas palavras, quando são alvejadas ao sol, adquirem consistência de certeza, como, por exemplo, a palavra vida. Existem outras, e a palavra amor é uma delas, que são muito encardidas e desgastadas pelo uso, o que recomenda esfregar e bater insistentemente na pedra e depois enxaguar em água corrente. São poucas as palavras que resistem a esses cuidados, mas sempre existem aquelas.

Dizem que limão e sal tiram sujeiras difíceis, mas toda tentativa de lavar a piedade foi sempre em vão. Eu nunca vi palavra tão suja quanto perda; perda e morte, na medida em que são alvejadas, soltam um líquido corrosivo que atende pelo nome de amargura, que é capaz de esvaziar o vigor da língua. O conselho nesse caso é mantê-las de molho num amaciante de boa qualidade.

Mas se o que você quer é só aliviar as palavras do uso diário, pode usar sabão em pó e máquina de lavar. O perigo é misturar palavras que mancham no contato umas com as outras. Culpa, por exemplo, mancha tudo que encontra, e deve sempre ser alvejada sozinha. Outra mistura pouco aconselhada é amizade e desejo. Desejo é uma palavra intensa e pode, o que não é evitável, esgarçar a força delicada da palavra amizade.

É importante não lavar demais as palavras sob o risco de perderem o sentido. Aquela sujeirinha cotidiana, quando não é excessiva, produz uma oleosidade que dá vigor aos sons.

Muito importante na arte de lavar palavras é saber reconhecer uma palavra limpa. Conviva com as palavras durante alguns dias, deixe que se misturem em seus gestos e que passeiem pela expressão de seus sentidos. À noite, permita que se deitem não ao seu lado, mas sobre o seu corpo. Enquanto você dorme a palavra plantada em sua carne prolifera em toda a sua possibilidade.

Se você puder suportar essa convivência até não mais perceber a presença dela, aí você tem uma palavra limpa.

Uma palavra limpa é uma palavra possível.



Imagem: Web

9 comentários:

  1. Margot, que texto belo!
    Fiquei encantada. Realmente as palavras tem muito poder, mas devemos saber usá-las.
    Amei o post.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  2. Mariana Tomaz05/04/2011 12:06

    Belo texto. Viviane Mosé é o máximo, acho só por te-la assistido uma vez no café filosofico se nao me engano :D

    ResponderExcluir
  3. Meu Deus! O mundo precisa conhecer esse texto!!!

    Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  4. O texto é simplesmente fantástico...precisamos mesmo de limpar as palavras, abrindo-as á possibilidade.

    Fiquei sem sabre se já está melhor?...

    Beijo grande

    ResponderExcluir
  5. Ah, como adorei isso, mulher!!!

    Li e agora estou me deliciando com o vídeo...Obrigada por esse post, ganhei a noite, ganhei sabedoria! =)

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  6. Muito lindo mesmo Margot, eu adorei a sensibilidade do texto, além da sabedoria.

    Ótima escolha!

    Beijos!!

    Andréa Silveira.

    ResponderExcluir
  7. Margot,

    Vou postar um texto da Viviane Mosé lá no meu Fases e colocar um link aqui para o teu blog, tudo bem?

    Um beijo, ótimo fds! ;)

    ResponderExcluir
  8. Mais um lindo texto,nesse blog! Este post entrou para a lista dos meus preferidos! Beijos

    ResponderExcluir
  9. Excelente postagem minha Querida,
    beijos!!!!

    ResponderExcluir