Páginas

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Boi de Haxixe

Repostando... porque convém.


Quando piso em flores,
Flores de todas as cores.
Vermelho sangue,verde-oliva, azul celestial
Me dá vontade de voar sobre o planeta
Sem ter medo da careta
Na cara do temporal.

Desembainho a minha espada cintilante
Cravejada de brilhantes
Peixe-espada vou pro mar.
O amor me veste com o terno da beleza
E o saloon da natureza
Abre as portas pra eu dançar.

Diz o que tu quer, eu dou.
Se tu quer que eu vá, eu vou.

Meu bem, meu bem-me-quer,
Te dou meu pé meu não
Um céu cheio de estrelas
Feitas com caneta bic num papel de pão.




Boi de Haxixe - Ceumar [Dindinha - 2000]
Composição - Zeca Baleiro

6 comentários:

  1. Olá Margot
    Linda letra e linda música. Papel de pão e caneta bic são do meu tempo rsrsrs
    Bjux

    ResponderExcluir
  2. Mas que gostosura cantada!

    =D

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  3. Há no esplendor
    o prazer e a dor
    lucidez e torpor
    cravado de fúria
    velado de amor
    c'est un peu de l'esprit
    et plus du coeur...
    du coeur que ne
    connais peur

    Pour une Jeunne fille en Fleur...

    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Do meu tempo também, Wanderley!!!
    Gostei tanto... uma belezura de canção!!!
    Bjim, lindona!!!

    ResponderExcluir
  5. Oi Margot, vim agradecer tua visita
    e encontro essa linda canção! Gosto muito do jeito que o Zeca Baleiro interpreta as canções, eita
    maranhense, esse é dos bons!

    beijo pra ti e um bom final de semana!

    ResponderExcluir
  6. Tava achando a música lindaaa! O instrumental muito rico, só depois me dei conta que se trata de uma versão. Coisa boa é assim mesmo!

    ResponderExcluir