Páginas

domingo, 4 de setembro de 2011

A Roupa & A Palavra


“Deve-se escrever da mesma maneira como as lavadeiras lá de Alagoas fazem seu ofício. Elas começam com uma primeira lavada, molham a roupa suja na beira da lagoa ou do riacho, torcem o pano, molham-no novamente, voltam a torcer. Colocam o anil, ensaboam e torcem uma, duas vezes.

Depois enxáguem, dão mais uma molhada, agora jogando a água com a mão. Batem o pano na laje ou na pedra limpa, e dão mais uma torcida e mais outra, torcem até não pingar do pano uma só gota.

Somente depois de feito tudo isso é que elas dependuram a roupa lavada na corda ou no varal, para secar. Pois quem se mete a escrever devia fazer a mesma coisa. A palavra não foi feita para enfeitar, brilhar como ouro falso; a palavra foi feita para dizer.”

Graciliano Ramos
em entrevista - 1948

8 comentários:

  1. Minha mãe lavava roupa assim. Não em Alagoas, lá no sul mesmo! Mas eu não aprendi nada, tropeço nas palavras tentando deixá-las lindas e limpas, mas tenho tanto chão pela frente...Tanto que tenho que torcer...Bj

    ResponderExcluir
  2. Eu peco sempre, sempre, sempre. Abuso demais das palavras.

    Elas são generosas, são boas comigo, eu realmente não mereço tanto.

    Um beijo, querida.

    ResponderExcluir
  3. eh, Margot... Há de se ter cuidado com a palavra lançada, porém muitas vezes não nos damos conta disso e acabamos pecando por abuso mesmo. O momento explosão / desabafo sempre existirá.
    Bju grande!!!

    ResponderExcluir
  4. Cristiane Vieira06/09/2011 14:19

    Tá explicado pq sofro tanto pra escrever hehe.

    ResponderExcluir
  5. Olá, Margot!!Graciliano faz narrativas poéticas!!Um "simples", mas árduo lavar de roupas se tranforma em pura poesia nas mãos do mestre da arte do escrever!!
    *********
    Para vc , Margot: " Quem dormiu no chão deve lembrar-se disto,impor-se disciplina, sentar-se em cadeiras duras, escrever em tábuas estreitas.Escreverá talvez asperezas, mas é delas que a vida é feita:inútil negá-las, contorná-las, envolvê-las em gaze."(in Memória do Cárcere, G.Ramos)

    Divino, não!! Bjs.

    ResponderExcluir
  6. Eita que metáfora perfeita! A escrita deve trazer com ela sentimento, verdade e intensidade, qualquer outra forma de escrita é um blasfêmia a esta arte!

    ResponderExcluir
  7. Lindo blog!

    Concordo com o Graciliano, hoje em dia tem muita gente escrevendo, mas nem todos lavam, torcem, enxaguam... acham que tudo é muito fácil e desvalorizam as palavras!

    Beijão!

    ResponderExcluir
  8. Olá, Priscila. Seja bem-vinda!

    Bjs!

    ResponderExcluir