Páginas

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Shhh! Silêncio, por favor!

Ontem estive a tarde inteira sozinha em casa e tive um susto. De repente - sem aviso - eu senti o silêncio. Ouvi o silêncio.

Uma qualidade de silêncio que só recordo de ter sentido, na minha infância, em casa da minha avó, num lugar que não havia luz elétrica e assim, as caixinhas de fazer barulho - televisão, rádio, computadores - não faziam parte daquele ambiente. Por isso eu digo que a qualidade do silêncio era outra. Para mim, aquilo era silêncio puro. Ouvir o cacarejo de uma galinha, o chocalho da vaquinha a pastar, o rápido rastejar de uma lagartixa fugindo do gato, a manga que caía sobre as folhas secas no chão, o grito de um menino ao longe. Barulhinhos naturais que compunham um silêncio precioso. Hoje isso tudo é tão raro.

O silêncio de ontem me arremessou a essas memórias. O tempo havia parado, nada (ou tudo) acontecia lá fora. Nenhum barulho artificial se infiltrou mais que um minuto naquela calma. E pude ouvir com imensa nitidez o pio de um pássaro. O vento coreografando a dança das árvores e outras plantas. Os gatos ressonando. A água fervendo para o café. O aroma do café. O correr dos meus dedos passando a página de um livro. Os meus pensamentos.

Não sei quanto durou esse momento taciturno, mas sei que foi suficiente para eu constatar que estou vivendo dias acelerados, passando por horas que voam e não percebo, falando coisas desnecessárias, ferindo pessoas que amo, olhando ao meu redor sem pousar os olhos com o devido cuidado e me sentindo ferida por estes atropelos. 

Mas eu sei que o silêncio das coisas, o silêncio das pessoas - o Silêncio - só é sentido em momentos de suavidade e desapego. Por isso vou passar uns dias guardada em meu silêncio e refletir com calma sobre minhas atitudes (às vezes descuidadas e às vezes impertinentes, incoerentes ou equivocadas). Não estou mal, não estou doente - é tão somente um passeio, uma pequena viagem por dentro de mim, mas volto logo. 




"Se queres ouvir a Deus, presta bem atenção: Ele gosta de falar muito baixo"
Vladimir Ghika

11 comentários:

  1. Oi querida Margot!

    Esse silêncio que você narrou tão perfeitamente é um silêncio que acalma nossa alma e traz clareza para os nossos sentidos, nos deixando perceber uma parte da vida e de nós mesmos que não conseguimos perceber no corre corre da vida moderna. Eu também amo esse silêncio e tenho necessidade dele.
    Que lindo post...

    um beijo.

    ResponderExcluir
  2. Uma conclusão linda, só poderia mesmo ter vindo de ti.

    Boa viagem interna, Margot. A gente espera.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  3. Tu és uma flor.
    Goza bem do teu silêncio.

    ResponderExcluir
  4. o silêncio tem sido algo que me faz muita falta.


    lindo texto, querida.


    ah, o link do blog mudou.
    atualiza aí: http://consideracaodopoema.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Oi Amiga

    Quando você me ligou, fiquei preocupada. Você sabe que tenho medo do silêncio, medo de me escutar.. mas as vezes o silencio é a melhor forma para entendermos/sabermos/conhecermos... todo e qualquer sentimento.
    Fica em paz..

    Ps.: Esse teu silêncio permite falar comigo ao telefone?? :D
    Bjos

    ResponderExcluir
  6. Os sons tenues da natureza é o silêncio de Deus.
    Como é raro.
    Como é necessário de vez em quando...

    Beijoss

    ResponderExcluir
  7. Cara Margot Félix,
    adorei seu nome, adorei seu blog, adorei seu espírito, adorei tudo por aqui.
    E olha que eu sou uma desadoradora de tudo e de todos.
    Cheguei aqui através de La Vanu, do Admiradores de Varais, que muito me agrada.
    Só tenho a agradecer a La Vanu e a você, Margot, esses momentos deliciosos.

    Seu post "silencioso" virou post no meu blog. Sou Nervos San, uma criatura que muito batalha contra os barulhos horríveis do mundo de hoje.

    Parabéns pelo bom gosto. Obrigada. Voltarei aqui sempre.

    ResponderExcluir
  8. Bons momentos esses em que saimos de tudo e só ouvimos as lembranças, é literalmente entrar no silêncio. longe de tudo e ouvir somente as palavras que vêm à mente.

    ResponderExcluir
  9. Ótima decisão, eu "me retiro" do mundo (principalmente do virtual) de vez em quando, faz muito bem, ajuda a colocar os pensamentos no lugar e parar de se aborrecer com o que não importa tanto para nós e, consequentemente, a ficar reagindo a tudo e a todos de forma exagerada. Nada como desfrutar apenas da nossa própria companhia por uns dias.

    ResponderExcluir
  10. Gente, obrigada pelas palavras. Guardei-as todas com imenso carinho!

    Beijo!

    *
    San, seja bem-vinda!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  11. Margot!!

    "O silêncio é ouro!" De vez em quando, precisamos ouvir a nossa respiração, o barulhinho do vento, o murmurar das ondas...Para isso, é preciso estar só, calada, contrita! Faça seu "retiro" e retorne mais iluminada ainda! Bjs.

    ResponderExcluir