Páginas

sábado, 30 de julho de 2011

Do Estilo


Fere de leve a frase... E esquece... Nada
       Convém que se repita...
Só em linguagem amorosa agrada
A mesma coisa cem mil vezes dita.


Mario Quintana
In: Espelho Mágico

terça-feira, 26 de julho de 2011

Venha ver o Pôr-do-Sol


Não, não é o conto macabro da Lygia Fagundes Telles. Mas é algo que acontece em grandes cidades, ou naquelas que se encaminham para isto e, assim, pode ter seu tom lúgubre.

O fato é que com o crescimento vertical das cidades, um dos espetáculos mais lindos que a natureza oferece está sendo suprimido. O pôr-do-sol não pode mais ser apreciado como antes, pois as edificações estão cada vez mais altas.

Perto da minha casa, mais especificamente, na direção do poente, havia uma chácara relativamente grande, um espaço verde com algumas árvores e animais que vivam soltos e felizes. A propriedade era privada, mas era bom saber que perto daqui havia um lugar verde e fresquinho. 

Porém, como tudo muda, e nem sempre para melhor, essa chácara foi vendida a um grupo imobiliário que vem modificando, impiedosamente, a paisagem da minha cidade. Primeiro derrubaram boa parte das árvores, passaram a máquina e levaram todas as plantinhas que ajudam a refrescar o meio-ambiente. Agora já começaram as construções e o que eu tanto temia está prestes a acontecer - vão roubar meu pôr-do-sol.

No inverno tímido da minha cidade é possível ver um belíssimo crepúsculo, como o da foto acima. Mas o que pressinto é que para ver melhor será necessário subir a um mirante ou aos terraços dos próprios prédios que estão modificando a paisagem. 

Entristeço, não somente pelo sol que se despede sem ser visto, mas também pelo meio-ambiente que é devastado. Eu só gostaria de dizer: “Venha ver o pôr do sol!” Olhar para o lado e me ofuscar com os últimos raios de sol do dia que passou.

Foto: Margot Félix

domingo, 24 de julho de 2011

Qualquer Amor


Só se pode viver perto de outro, e conhecer outra pessoa, sem perigo de ódio, se a gente tem amor. Qualquer amor já é um pouquinho de saúde, um descanso na loucura.

João Guimarães Rosa
In: Grande Sertão: veredas

Imagem: Web

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Do que vou aprendendo sobre Amizade



Amor e Amizade são duas palavras que estão bem gastas, porém, como não sou pessimista, acredito que não as palavras, mas estes sentimentos nunca sairão de moda.

Já tomei baitas sustos ao saber que tal pessoa não era tão amiga. E susto maior foi quando constatei que eu também já falhei com amigos caros e fiéis. É difícil ser amigo em tempo integral. Nem sempre estamos aptos para corresponder ao que o outro espera de nós.

Digo: ser Amigo é uma arte. Mas não é arte hermética. Todo dia a gente pode criar e recriar. Falha hoje e amanhã acerta. Se a amizade é forte não se rende a tolices. 

Amigos... não tenho muitos, mas os poucos são bons e estão bem guardados. Contudo, sei reconhecer em algumas pessoas (que chegaram há pouco) um amigo em potencial, um companheiro que, sem titubear, estende a mão em momentos delicados, ou que fica sinceramente feliz na hora do meu sucesso.

E sem me prolongar – pois a Amizade, como o Amor, não se explica – deixo um fraterno abraço aos meus amigos: aos que já sabem que são e aos que nem desconfiam que tenho admiração e carinho não declarados.

Feliz dia da Amizade!

sábado, 16 de julho de 2011

Ao meu Irmão, com carinho!


Quando cheguei a esse mundo ele já estava por aqui. Cresci ao lado dessa pessoinha que, por força dos problemas causados pela PC (paralisia cerebral), não se exprimia por palavras, não corria pelas ruas comigo e minha irmã, nem nos acompanhava à escola.

Mas quem disse que Marconi não fala, não corre e não nos acompanha aos lugares? Com o olhar ele fala das sutilezas da vida, com a imaginação corre como um lindo guepardo e com seus pensamentos e orações nos acompanha por toda parte. Às vezes acho que nada é impossível para Marconi.

Embora não seja fácil, penso que tive sorte de nascer sob o signo de ser irmã de um ser tão especial. Especial não, excepcional! Por isso confirmo as palavras do poeta: “Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é”. Posso afirmar com muita convicção que conheço a dor e a delícia de ter em minha vida uma pessoa como Marconi, que nos ensina sem palavras, nos acolhe com sua simplicidade e nos conforta com sua Fé que transborda.

Marconi, por muito tempo, em minhas orações, eu pedia a Deus que você pudesse andar, falar e ter uma vida normal. Mas sua vida é normal, sadia e feliz. Seus olhos não negam. E é por esta razão que hoje eu não peço mais, apenas agradeço a Deus, e aos nossos pais, por você existir e melhorar nossos dias.

Feliz Aniversário, meu querido Irmão!

Eu amo você, apesar de ser Trezeano! =p


terça-feira, 12 de julho de 2011

Nuvem Cigana


Se você quiser eu danço com você
No pó da estrada
Pó, poeira, ventania
Se você soltar o pé na estrada
Pó, poeira
Eu danço com você o que você dançar.
Nuvem Cigana - Milton Nascimento

Ps:
Se você quiser...

domingo, 10 de julho de 2011

Mas há a Vida


Mas há a vida que é para ser intensamente vivida, há o amor. Há o amor. Que tem que ser vivido até a última gota. Sem nenhum medo. Não mata.



Clarice Lispector
In: Aprendendo a viver


Imagem: Web


quarta-feira, 6 de julho de 2011

O mundo pitoresco de Maggie Taylor

Girl with a Bee Dress*
Fotografias antigas sobrepostas, objetos sem valor aparente, uma câmera digital de bolso com 4 megapixels e muita criatividade. Essas são as ferramentas usadas pela fotógrafa norte-americana - Maggie Taylor - para fazer seu trabalho fotográfico.


Com uma paleta de cores em tons de azul, rosa e verde esmaecidos, Maggie Taylor cria imagens que nos elevam a um mundo de sonho, poesia e estranheza.




Não sou entusiasta da fotografia com intervenção de editor de imagens, mas quando usado com originalidade e bom gosto sou toda aplausos. Além do imaginário pitoresco e da sensibilidade poética que estão presentes nessas imagens, me agrada saber que elas são feitas sem equipamentos dispendiosos. Criatividade e simplicidade são as principais ferramentas.



Veja essas e outras imagens no site oficial (belíssimo) da fotógrafa.


*Para fazer essa imagem Maggie usou uma fotografia da Irlanda, a textura de uma fotografia antiga, um auto-retrato original, abelhas mortas, uma flor e muita paciência com um editor de imagens.

sábado, 2 de julho de 2011

O Gato


O gato chega à porta do quarto onde escrevo.
Entrepara... hesita... avança...

Fita-me.
Fitamo-nos.

Olhos nos olhos...
Quase com terror!

Como duas criaturas incomunicáveis e solitárias
Que fossem feitas cada uma por um Deus diferente.


Mario Quintana
In: Preparativos de Viagem - 1994

Imagem: Web