Páginas

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Receita para lavar palavra suja

Repostando porque convém!



Se, segundo o poeta gauche, "lutar com palavras é a luta mais vã", façamos a receita (à moda cabralina), da Viviane Mosé, para lavar palavra suja.

***

Mergulhar a palavra suja em água sanitária, e depois de dois dias de molho quarar ao sol do meio dia.

Algumas palavras, quando são alvejadas ao sol, adquirem consistência de certeza, como, por exemplo, a palavra vida. Existem outras, e a palavra amor é uma delas, que são muito encardidas e desgastadas pelo uso, o que recomenda esfregar e bater insistentemente na pedra e depois enxaguar em água corrente. São poucas as palavras que resistem a esses cuidados, mas sempre existem aquelas.

Dizem que limão e sal tiram sujeiras difíceis, mas toda tentativa de lavar a piedade foi sempre em vão. Eu nunca vi palavra tão suja quanto perda; perda e morte, na medida em que são alvejadas, soltam um líquido corrosivo que atende pelo nome de amargura, que é capaz de esvaziar o vigor da língua. O conselho nesse caso é mantê-las de molho num amaciante de boa qualidade.

Mas se o que você quer é só aliviar as palavras do uso diário, pode usar sabão em pó e máquina de lavar. O perigo é misturar palavras que mancham no contato umas com as outras. Culpa, por exemplo, mancha tudo que encontra, e deve sempre ser alvejada sozinha. Outra mistura pouco aconselhada é amizade e desejo. Desejo é uma palavra intensa e pode, o que não é evitável, esgarçar a força delicada da palavra amizade.

É importante não lavar demais as palavras sob o risco de perderem o sentido. Aquela sujeirinha cotidiana, quando não é excessiva, produz uma oleosidade que dá vigor aos sons.

Muito importante na arte de lavar palavras é saber reconhecer uma palavra limpa. Conviva com as palavras durante alguns dias, deixe que se misturem em seus gestos e que  passeiem pela expressão de seus sentidos. À noite, permita que se deitem não ao seu lado, mas sobre o seu corpo. Enquanto você dorme a palavra plantada em sua carne prolifera em toda a sua possibilidade.

Se você puder suportar essa convivência até não mais perceber a presença dela, aí você tem uma palavra limpa.

Uma palavra limpa é uma palavra possível.





Imagem: Web

19 comentários:

  1. Adoro o café filosófico!

    Essa semana nós assistimos vários programas com a participação do Luiz Felipe Pondé e do Leandro Karnal, umas palestras ótimas, você já viu?

    Tem tanta coisa boa pra ver e aprender nessa internet, e as pessoas não sabem aproveitar a riqueza que é poder ter tantas informações assim ao alcance das mãos...

    Um beijo Margot!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, vejo sempre o Café Filosófico. Mas eu era mais assídua na época em que Contardo Calligaris era o curador do programa.

      Beijos!

      Excluir
  2. Que legal e lindo!!!Gostei!!beijos,chica

    ResponderExcluir
  3. Lindo, Margot! Que minhas palavras se lavem na mistura certa, sem estragarem ou mancharem umas às outras e, principalmente, a quem elas vão vestir e servir.
    Abraço, menina!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Regina, faço minhas as tuas palavras. :)

      Excluir
  4. Depois de lavadinhas conforme as instruções posso voltar a usar: "Obrigada pela partilha desta pérola!"
    Coisa linda!:)

    Beijinho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana, acho esse texto mesmo a tua cara. Eu sabia que irias gostar!

      :)

      Excluir
  5. Como se não bastasse um belo texto, você nos presenteia também com uma ótima interpretação. Parabéns pelo bom gosto, Margot!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carla, cada vez que releio esse texto ele me diz algo diferente. É bom quando isso acontece, não é? :)

      Excluir
  6. Cristiane Vieira30/08/2012 09:49

    "A palavra não sabe o que diz". Que o diga a Análise do Discurso. Muito bom. Postei o vídeo no YouTube para mais pessoas poderem assisti-lo. Muito bom!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Crist, agora você me fez sentir saudades das aulas de Linguística. :)

      Sim, partilhe o vídeo quando e onde quiser! :)

      Excluir
  7. Muito bom, Margot!!! Eh bom mesmo deixar as palavras limpinhas e aprendê-las a usar corretamente e de modo q não as desgastem tanto. Afinal, palavra tem poder e eh pra continuar tend sempre.
    Adorei.
    Bjus!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aline, elas têm poder e vão bem longe!

      :)

      Excluir
  8. Um texto seriíssimo e lindo!
    Beijinhos,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. mfc, também acho. É claro e honesto!

      :)

      Excluir
  9. Olá, Margot!!

    Adélia Prado sabe o que diz e você sabe o que faz..."Cutuca", nos leva diplomaticamente á reflexão rsrsr!! Adélia nos lança, nestes versos, várias interrogações, não é? Muitas vezes, as palavras precisam ficar bem limpas-assim não há dúvidas no que se quer dizer, mas também limpando-as demais, tornam-se ríspidas, secas...perdem conotações várias, tornam-se óbvias, o que é uma pena...Assim, com os poetas,aprendemos também a "ser Gauche na vida" , enviezamos o olhar...Parabéns pelo poema e pelo texto.Bjs, Dy.

    ResponderExcluir